Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da queratose actínica (QA) e da cancerização do campo cutâneo.

As queratoses actínicas são lesões cutâneas comuns, geralmente consideradas pré-cancerosas ou histologicamente como carcinoma espinocelular in situ. Hiperceratóticas, surgem em áreas da pele cronicamente expostas ao sol, como face, couro cabeludo, pescoço e extremidades.

Risco de progressão das QA para CEC e CBC

Qualquer lesão única de QA possui três resultados possíveis: permanecer estável, regredir e resolver espontaneamente ou transformar-se em carcinoma de queratinócitos (câncer de pele não melanoma), especialmente carcinoma espinocelular (CEC). As taxas de regressão e progressão variam amplamente de acordo com diferentes estudos.

Um estudo de 2009 identificou 7.784 lesões de QA na face e nas orelhas de 169 indivíduos em uma população de alto risco, descobrindo que quase 65% dos CECs primários e 36% dos carcinomas basocelulares (CBCs) primários surgiram de lesões de QA.

“O risco de progressão de QA para CEC é baixo, com taxas de progressão calculadas entre 0% e 0,075% por lesão-ano, com risco de até 0,53% por lesão em pacientes com história de carcinoma de queratinócitos. Se múltiplas lesões de QA (>5) estiverem presentes e acompanhadas por sinais de dano actínico crônico ou cancerização de campo, o risco de conversão maligna aumenta rapidamente.”

 

Fatores de risco

Segundo os autores, pacientes imunocomprometidos apresentam um risco maior de desenvolver QA, incluindo receptores de transplantes de órgãos que tomam medicamentos imunossupressores (que têm até 250 vezes mais probabilidade de desenvolver QA), além dos pacientes com sistema imunológico enfraquecido causado pela doença.

Homens com idade avançada (acima de 70 anos), pele Fitzpatrick tipos I e II, calvície severa, enrugamento da pele e alta tendência a queimaduras solares estão significativamente associados a danos actínicos extensos. A QA também tem sido associada à exposição a metais pesados e a certos tipos de papilomavírus humano (HPV).

 

O que os autores concluíram

A queratose actínica na pele danificada pelo sol é um indicador importante de risco aumentado para o câncer cutâneo. Dessa forma, é preciso ampliar (e melhorar) a educação sobre proteção solar e a intervenção precoce para reduzir as alterações malignas no campo cancerizado. A deteção precoce do carcinoma espinocelular (CEC) pode reduzir a incidência e o impacto do câncer cutâneo, além de levar a uma reduções de custos.

 

TAKEAWAY MESSAGE:

Múltiplas lesões e a cancerização de campo devem ser tratadas eficientemente com produtos tópicos, mas até o momento não há evidências sobre quais lesões irão regredir. Para os autores, deve-se ponderar o equilíbrio entre a tolerabilidade do tratamento e a eficácia.

 

 Leia aqui o artigo na íntegra

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jdv.19559

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças e adolescentes com distúrbios crônicos da pele?

A partir desta questão, Paller et al. (JAMA Dermatology, abril 2024) realizaram um estudo transversal com 1.671 crianças (57,9% do sexo feminino; idade média [DP], 13,7 [2,7] anos), conduzido em 32 centros de dermatologia pediátrica nos Estados Unidos e Canadá, de 14 de novembro de 2018 a 17 de novembro de 2021.

Um total de 56,4% dos participantes relatou alta visibilidade da doença e 50,5% apresentaram gravidade moderada.

Resultados

Entre as crianças com doenças cutâneas crônicas – predominantemente acne, dermatite atópica, alopecia areata e vitiligo – apenas 27,0% tiveram escores T inferiores a 40 (estigma mínimo ou nenhum estigma) e 43,8% tiveram estigma ao menos moderado (escore T ≥45) em comparação com crianças com uma série de doenças crônicas.

Os escores de estigma correlacionaram-se fortemente com qualidade de vida reduzida (Spearman ρ = 0,73), depressão (ρ = 0,61), ansiedade (ρ = 0,54) e relacionamentos ruins com colegas (ρ = −0,49). No geral, 29,4% dos pais estavam cientes do bullying contra seus filhos, fortemente associado ao estigma (Cohen d = −0,79, com crianças que não foram vítimas de bullying apresentando níveis mais baixos de estigma). As meninas relataram mais estigma que os meninos (Cohen d = 0,26).

Crianças com hiperidrose e hidradenite supurativa tinham maior probabilidade de apresentar depressão e ansiedade.

Achados importantes

Dentre os achados do estudo, o estigma foi um importante fator associado à qualidade de vida e foi correlacionado com a depressão. As pontuações do estigma diferiram com base no nível de gravidade e visibilidade.

 Para concluir

Segundo os autores, os resultados deste estudo sugerem que a avaliação médica da gravidade e visibilidade da doença é insuficiente para avaliar o impacto da doença no paciente/cuidador. Assim, identificar a estigmatização (incluindo o bullying) e acompanhar a melhoria através de intervenções médicas e psicossociais pode ser um papel fundamental para os profissionais.

Leia aqui o artigo na íntegra https://jamanetwork.com/journals/jamadermatology/article-abstract/2817886

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e tratamento do vitiligo em pacientes jovens com base em recomendações de especialistas.

Dessa forma, os autores realizaram uma revisão da literatura utilizando artigos que atendessem aos critérios de inclusão: publicados em inglês, contendo dados primários (incluindo meta-análises) e dados específicos da pediatria, e análise de seis ou mais pacientes.

Na pesquisa foram incluídos trabalhos sobre corticosteroides tópicos e/ou inibidores tópicos de calcineurina (n = 50), inibidores tópicos de Janus quinase (n = 5), pseudocatalase (n = 2) e microdermoabrasão (n = 2).

Os artigos foram classificados pelos critérios da Taxonomia de Força de Recomendação e pelos Níveis de Evidência e Graus de Recomendação do Oxford Centre for Evidence-based Medicine. Os pesquisadores analisaram as questões por meio de videoconferência, em maio de 2022, e após um mês participaram de um inquérito on-line documentando o nível de concordância com as afirmações formadas, utilizando uma escala Likert de 5 pontos.

 

Foram realizadas, então, 42 recomendações sobre o diagnóstico de vitiligo e terapêutica tópica ideal, com 33 recomendações obtendo uma concordância composta de 70% ou mais e uma concordância forte. Após a análise, os autores concluíram que os inibidores tópicos de calcineurina, corticosteroides tópicos e inibidores tópicos de Janus quinase são uma terapêutica eficaz para o vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens, sinalizando as decisões específicas sobre a escolha do agente com base em fatores como localização, área de superfície corporal e idade.

 

Leia aqui o artigo na íntegra https://jamanetwork.com/journals/jamadermatology/article-abstract/2815807

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos?

Essa foi a pergunta-chave para um estudo publicado no JAMA Dermatology (janeiro, 2024) por Gold et al., que conduziu uma análise de métodos mistos com 32 participantes transexuais e de gêneros diversos com acne, de 4 de janeiro de 2021 a 7 de abril de 2022, por meio de entrevistas e pesquisas semiestruturadas.

 

Dentre os 32 participantes, havia 17 homens trans, 11 mulheres trans e 4 participantes não binários. Dez participantes (31%) autoavaliaram sua pele como atualmente limpa ou quase limpa, 11 (34%) relataram acne leve e 11 (34%) acne moderada a grave. Os participantes descreveram experiências de rejeição e bullying relacionadas à condição e admitiram evitar interações sociais nas quais antecipavam a discriminação, o que levou a sentimentos de depressão e ansiedade. A acne piorou a insatisfação com a aparência corporal, tendo a maioria dos participantes já experimentado tratamentos de venda livre para acne e buscado orientações sobre tratamento de acne de médicos, colegas, fóruns on-line e mídias sociais.

 

Segundo os dados apresentados no estudo, as barreiras aos tratamentos da acne incluíam custo, falta de cuidados multidisciplinares, desconfiança no sistema de saúde e falta de educação específica sobre cuidados com a acne para pessoas trans.

 

A fim de reduzir o impacto da acne em indivíduos trans os autores sugerem mudanças – como o desenvolvimento de estratégias para reduzir o estigma da acne, fornecer educação específica sobre cuidados específicos para transgêneros, facilitar o cuidado multidisciplinar da acne e expandir ambientes clínicos amigáveis ​​às pessoas trans.

 

E você, o que acha que deve ser feito? Deixe seu comentário no feed.

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento da onicomicose, além do aumento da resistência às terapias antifúngicas. A onicomicose (tinea unguium) representa a maior proporção de distúrbios ungueais observados na prática clínica, sendo seu tratamento completo, em muitos casos, um verdadeiro desafio para médicos e pacientes.

De acordo com Shari Lipner, MD, PhD, FAAD, médica assistente e diretora da Divisão de Unhas do Hospital Presbiteriano de Nova York/Centro Médico Weill Cornell (EUA), ter tinea pedis (pé de atleta) é um fator de risco significativo para onicomicose, assim como hiperidrose e histórico familiar de onicomicose ou tinea pedis. Ainda segundo a especialista, como o risco de transmissão da onicomicose é de cerca de 44% a 47% para outros membros da família quando uma pessoa é afetada, ao observar uma criança com a doença é importante trazer seus pais e irmãos para garantir que eles também estejam sendo tratados.

Como realizar o diagnóstico correto

Como as características clínicas da onicomicose podem ser confundidas com as de doenças ungueais não fúngicas – como psoríase ungueal, líquen plano, trauma ungueal e melanoma subungueal – nós, dermatologistas, nunca devemos tratá-la empiricamente. É importante realizar testes de diagnóstico, incluindo KOH e microscopia, coloração PAS e/ou cultura fúngica e o teste PCR (subutilizado, mas eficaz).

“Tratar empiricamente é um desserviço ao paciente. O tratamento de qualquer doença ungueal é um processo longo porque a unha cresce lentamente, por isso, se você estiver no caminho errado, o paciente definitivamente não vai melhorar – e pode até piorar”, explica a Dra. Lipner. Para Boni Elewski, MD, FAAD, professora e chair de Dermatologia da Universidade do Alabama, “o mais importante na abordagem de um paciente com onicomicose é fazer o diagnóstico correto. Se você presumir que todas as unhas anormais são causadas por um fungo, você estará errado na metade das vezes.”

Por isso, na prática diária, além da suspeita clínica, o diagnóstico preciso da onicomicose muitas vezes requer diagnóstico laboratorial. Segundo o artigo, a realização de um exame histopatológico com PCR proporciona a melhor eficácia diagnóstica, pois o primeiro indica a presença de uma invasão fúngica na lâmina ungueal e o último identifica o patógeno, permitindo assim terapias direcionadas.

Resistência ao tratamento antifúngico

Segundo a Dra. Lipner, nos últimos 10 anos têm sido encontradas cepas de T. rubrum resistentes à terbinafina, o que é algo para se preocupar: “se perdermos a terbinafina, não teremos muitas opções de tratamento restantes”.

Utilizando itraconazol para casos resistentes à terbinafina, a Dra. Elewski ensina que outra opção é recorrer ao tratamento tópico, como efinaconazol e tavaborol. Porém, segundo ela, as taxas de cura não são muito boas, pois são melhores para doenças mais leves.

Sobre o controle dos medicamentos antifúngicos, a especialista deixa um recado. “Precisamos ter certeza de que não dependemos de nossos olhos e devemos testar antes de prescrever. Estamos todos preocupados com a resistência e isso se deve, em parte, ao uso excessivo desses medicamentos.”

Atualmente há diversos tratamentos para onicomicose em andamento, como a terbinafina tópica que, apesar de um estudo mostrando boa eficácia, a solução tópica deixou a unha opaca. Seguimos aguardando ansiosamente os próximos estudos.

Leia aqui o artigo na íntegra https://www.aad.org/dw/monthly/2024/january/feature-whats-the-fuss-about-fungus

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes com linfedema de extremidade inferior apresentavam maior risco de câncer de pele do que aqueles sem linfedema.
O estudo incluiu 4.437 pacientes diagnosticados com linfedema de membros inferiores examinados na Clínica Mayo, em Rochester (EUA), entre 2000 e 2020. Em comparação ao grupo de controle, os pacientes com linfedema apresentaram um risco significativamente aumentado de câncer de pele.
Para o subconjunto de pacientes com linfedema unilateral, a extremidade linfedematosa teve 2,65 vezes mais probabilidade que o membro sem linfendema de ter câncer de pele, particularmente carcinoma basocelular.
Segundo os autores, os dados demonstraram que o linfedema dos membros inferiores parece ser um fator de risco para carcinoma espinocelular, carcinoma basal e angiossarcoma. Dessa forma, os pacientes com linfedema devem ser monitorados e examinados adequadamente por dermatologistas a fim de evitar atrasos no diagnóstico e no tratamento.
As novas descobertas podem contribuir para aumentar a informação que liga o linfedema a alterações localizadas na imunidade e a uma predisposição para o câncer.
Leia aqui o artigo na íntegra

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na biologia da vitamina D: algo novo sob o sol”, discorre sobre o expressivo progresso realizado nas últimas duas décadas na definição dos papéis biológicos da vitamina D.

Segundo os autores, para ser biologicamente ativa, a vitamina D3 deve ser acionada por

hidroxilações mediadas por enzimas do citocromo P450 (CYP). “É sabido que isso envolve hidroxilação em C25 pelo CYP2R1 ou CYP27A1, produzindo 25-hidroxivitamina D3 (25(OH)D3), seguida de hidroxilação em C1a pelo CYP27B1 para produzir 1,25-di-hidroxivitamina D3 biologicamente ativa. Este percurso de ativação é definido como via canônica.”

Os recentes avanços em vias alternativas de ativação da vitamina D e receptores nucleares alternativos para hidroxiderivados D3 oferecem uma explicação para os efeitos pleiotrópicos observados do pró-hormônio D3. Eles também desafiam o atual consenso propagado pela maior parte da literatura, de que os biologicamente relevantes fenotípicos efeitos do D3 podem ser atribuídos unicamente à ativação do VDR por 1,25(OH)2D3. Dessa maneira, os efeitos biológicos e fisiológicos dos secosteroides que são independentes da interação do VDR merecem mais estudos e desafiam o conceito convencional de que o VDR é o único receptor nuclear ativado pelas formas ativas de D3.

Além disso, o lumisterol e o taquisterol foram definidos como pró-hormônios porque podem ser ativados pelas enzimas CYP em metabólitos que exercem atividade biológica através da ação nos receptores nucleares.

Em resumo, segundo os autores, a caracterização da sinalização de vias alternativas por D3 e moléculas relacionadas oferece uma nova perspectiva de que a vitamina D, seus fotoprodutos e metabólitos têm uma infinidade de funções biológicas independentes de metabolismo do cálcio e dos ossos que requerem uma investigação mais aprofundada.

“Estas novas descobertas também mostram que o UVB pode gerar uma miríade de moléculas que poderiam eventualmente regular a homeostase local e global.”

Clique aqui e leia o artigo na íntegra

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células constitui um aspecto fundamental do tratamento oncológico.

Dessa forma, a nanotecnologia representa uma oportunidade para o aprimoramento das abordagens terapêuticas empregadas no tratamento dos cânceres cutâneos, sendo uma promessa significativa para ampliar a especificidade do direcionamento às células neoplásicas por meio da facilitação da entrega direcionada de medicamentos às células tumorais.

A fim de fornecer uma visão geral sobre as diversas terapias combinadas com base na nanotecnologia para melanomas e cânceres de pele não melanoma, um artigo de revisão publicado por Chandra J. et al. (Environmental Research, outubro 2023) elaborou um resumo desses tratamentos com seus avanços recentes.

Segundo os autores, existem três estratégias distintas para a implementação de tratamento anticâncer combinado utilizando nanomedicamentos:

  1. A utilização simultânea da nanomedicina e da formulação tradicional;
  2. A entrega de múltiplas substâncias medicinais (normalmente duas), utilizando apenas um sistema de nanotransportador;
  3. A administração simultânea de nanomedicamentos distintos.

Dentre os avanços recentes em terapias combinadas com base na nanotecnologia, os autores mencionam uma estratégia explorada por Daneshver et al. (2020) na qual foram apresentadas evidências empíricas mostrando o potencial das nanopartículas de platina (PtNPs) como absorvedores eficazes de luz laser e raios X, permitindo uma conversão eficiente de energia.

“Uma proporção significativa das pesquisas atuais empregou a fototerapia em conjunto com outras modalidades terapêuticas para o tratamento do câncer de pele.”

Para finalizar, os autores afirmam que a utilização da nanomedicina na medicina personalizada pode ser vantajosa para melhorar a biodisponibilidade, a compatibilidade e otimizar a eficácia terapêutica através da implementação de um perfil de liberação controlada do medicamento, garantindo sua administração no alvo apropriado, no paciente correto e no momento ideal.

Clique aqui e leia o artigo na íntegra

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA

REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                                                                                   

8 a 11 de maio de 2024 – Lima/Peru

radla2024.org 

 

A RADLA (Reunião Anual de Dermatologistas Latino-Americanos) tem como uma de suas características, o incentivo à participação de médicos dermatologistas jovens (até 5 anos do término da residência).

Em 2024 o evento terá sua XLI edição e será realizado do dia 8 a 11 de maio, em Lima – Peru.

Como forma de viabilizar a maior participação de jovens dermatologistas, são destinadas becas para incentivo. O Brasil será contemplado com 30 bolsas.

A bolsa contempla os seguintes itens:

  1. inscrição
  2. hospedagem

Para concorrer a bolsa você deverá enviar:

  • PRIMEIRA ETAPA,
  1. Enviar o resumo em português (word) para o e-mail – administracao@radlabrasil.com 
  2. Escolher entre as categorias dos trabalhos:
  3. Mini-caso,
  4. Trabalhos de investigação
  5. Dermatologista Jovem (até 5 anos de conclusão da Residência) e deverá ser trabalho de investigação.

 

  1. AUTORES E APRESENTADOR

Serão aceitos um autor/apresentador principal e até quatro coautores.

É necessário incluir o nome completo dos autores, definir o apresentador, a ordem do

coautores e indicar a instituição à qual cada um deles pertence no momento da preparação

do trabalho.

Cada autor principal só poderá inscrever 2 mini casos, 1 trabalho de pesquisa científica e 1 trabalho

como um jovem dermatologista.  Aqueles que atingirem esse número, só poderá constar como em outros trabalhos como coautores.

  1. ESTRUTURA GERAL PARA ENVIO
  • TÍTULO

O título do trabalho deve ser objetivo e transmitir o conteúdo do trabalho. Deverá ser omitidas

informações institucionais e de autoria, a fim de garantir o anonimato durante a avaliação.

O título não deve conter abreviaturas não padronizadas na literatura dermatológica.

O título não deve exceder 200 caracteres.

Importante: A identidade do autor ou Serviço em qualquer parte do corpo do texto implicará na desclassificação do trabalho.

  • CORPO DO TEXTO

O corpo do texto deverá ser estruturado conforme as normas da respectiva categoria e ter um máximo de 5.000 caracteres (incluindo espaços e sinais de pontuação)

  • .CONTEÚDO 
  • Mini-caso/mini-comunicação/e-poster deve constar: fundamentos, motivo da apresentação, relato do caso e discussão.
  • Trabalho de investigação deve constar: fundamentos, objetivos, métodos, resultado e conclusões.
  • Dermatologista Jovem – Deve constar fundamentos, objetivos, métodos, resultados e conclusões

 

  • REFERÊNCIAS

O número máximo de referências é 8 e elas serão incluídas de acordo com o exemplo: Zanuncio VV. et al.

Retículo-histiocitose congênita auto-cicatrizante. AAD. 2018; 88:1001-3.

A adequação e atualização das referências estarão sujeitas à pontuação

  

  1. PRAZO PARA ENVIO

01/outubro a 01/dezembro/2023

Enviar para e-mail:   administracao@radlabrasil.com

 

  1. RESULTADO

será divulgado até o dia 15/12/2023

 

COMITÊ RADLA BRASIL

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

4 MOTIVOS para participar da RADLA 2024

De 08 a 11 de maio de 2024 temos um encontro marcado na 41ª Reunião Anual de Dermatologistas Latino-Americanos! E dessa vez, nosso evento será na movimentada e encantadora capital do Peru, Lima, uma das maiores cidades da América do Sul – que recebe nossa RADLA após nove anos.

E para que você saiba mais sobre a nossa próxima edição, separamos 5 pontos importantes para que você não deixe de participar:

1- ALTO NÍVEL CIENTÍFICO

Com professores convidados dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha e Espanha, a XLI RADLA é o momento perfeito para você se manter atualizado sobre as últimas tendências e técnicas em dermatologia, com especialistas renomados.

2- TEMAS INTERESSANTES E RELEVANTES DA NOSSA PRÁTICA

Pela programação preliminar já dá para ver que participar da RADLA é sempre uma chance única para ampliar os conhecimentos com temas interessantes e relevantes da nossa prática.

3- É HORA DE ENCONTRAR OS COLEGAS E FAZER NOVAS CONEXÕES

O alto nível acadêmico da RADLA sempre proporciona aos seus participantes uma rica e ampla troca de experiências com colegas de outros países da América Latina. Que tal ampliar seu aprendizado, seu network e suas possibilidades?

4- APROVEITE PARA CONHECER O PERU

Enquanto se atualiza com os principais tópicos da nossa especialidade, aproveite para desfrutar da cordialidade do povo peruano, dos atrativos turísticos e da famosa gastronomia local. Repleta de história e tradições, a encantadora e misteriosa Lima vai te surpreender.

Clique aqui para saber mais. https://radla2024.org/

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...