Avanços recentes na biologia da vitamina D


Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na biologia da vitamina D: algo novo sob o sol”, discorre sobre o expressivo progresso realizado nas últimas duas décadas na definição dos papéis biológicos da vitamina D.

Segundo os autores, para ser biologicamente ativa, a vitamina D3 deve ser acionada por

hidroxilações mediadas por enzimas do citocromo P450 (CYP). “É sabido que isso envolve hidroxilação em C25 pelo CYP2R1 ou CYP27A1, produzindo 25-hidroxivitamina D3 (25(OH)D3), seguida de hidroxilação em C1a pelo CYP27B1 para produzir 1,25-di-hidroxivitamina D3 biologicamente ativa. Este percurso de ativação é definido como via canônica.”

Os recentes avanços em vias alternativas de ativação da vitamina D e receptores nucleares alternativos para hidroxiderivados D3 oferecem uma explicação para os efeitos pleiotrópicos observados do pró-hormônio D3. Eles também desafiam o atual consenso propagado pela maior parte da literatura, de que os biologicamente relevantes fenotípicos efeitos do D3 podem ser atribuídos unicamente à ativação do VDR por 1,25(OH)2D3. Dessa maneira, os efeitos biológicos e fisiológicos dos secosteroides que são independentes da interação do VDR merecem mais estudos e desafiam o conceito convencional de que o VDR é o único receptor nuclear ativado pelas formas ativas de D3.

Além disso, o lumisterol e o taquisterol foram definidos como pró-hormônios porque podem ser ativados pelas enzimas CYP em metabólitos que exercem atividade biológica através da ação nos receptores nucleares.

Em resumo, segundo os autores, a caracterização da sinalização de vias alternativas por D3 e moléculas relacionadas oferece uma nova perspectiva de que a vitamina D, seus fotoprodutos e metabólitos têm uma infinidade de funções biológicas independentes de metabolismo do cálcio e dos ossos que requerem uma investigação mais aprofundada.

“Estas novas descobertas também mostram que o UVB pode gerar uma miríade de moléculas que poderiam eventualmente regular a homeostase local e global.”

Clique aqui e leia o artigo na íntegra

LEIA TAMBÉM


Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

4 MOTIVOS para participar da RADLA 2024

De 08 a 11 de maio de 2024 temos um encontro marcado na 41ª Reunião Anual de Dermatologistas Latino-Americanos! E...

Ipilimumabe + nivolumabe em melanoma metastático refratário ao bloqueio PD-1

Um estudo randomizado de fase 2, publicado por VanderWalde et al. na Nature Medicine (agosto, 2023), demonstrou que o ipilimumabe...

Peeling de retinol 3% e cosmecêuticos para o bem-estar estético do paciente oncológico

Problemas cutâneos como aspereza, flacidez, erupções e rugosidade são comuns em pacientes com câncer de mama tratadas com análogo de...

Curetagem mais um ou dois ciclos de criocirurgia para carcinoma basocelular

Um artigo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology (leia aqui o artigo na íntegra)  por Eva Backman et al.,...

ChatGPT e inteligência artificial em dermatologia: otimismo ou desconfiança?

Muito tem se discutido sobre o uso do ChatGPT e da inteligência artificial (IA) na medicina. Em seu editorial de...