ChatGPT e inteligência artificial em dermatologia: otimismo ou desconfiança?


Muito tem se discutido sobre o uso do ChatGPT e da inteligência artificial (IA) na medicina.

Em seu editorial de fevereiro, intitulado “ChatGPT: amigo ou inimigo?”, o The Lancet Digital Health listou dois trabalhos em que a capacidade da ferramenta de realizar relatórios médicos foi evidenciada. Porém, em ambos os casos, erros potencialmente prejudiciais também ficaram evidentes – como adicionar informações extras que não faziam parte do prontuário do paciente e a falta de achados médicos importantes. “Tais erros sinalizam que, se implementados na prática clínica, seriam necessárias verificações manuais de resultados automatizados”, indica o texto.

E com a evolução da tecnologia as políticas editoriais também precisam evoluir. Preocupada com o uso da IA e tecnologias assistidas por IA na redação científica, a Elsevier introduziu uma nova política, estabelecendo que o uso deve ser limitado a melhorar a legibilidade e a linguagem do trabalho, devendo ser declarado no manuscrito. Ainda, os autores devem fazer verificações manuais de qualquer saída gerada por IA.

 

Otimismo e, acima de tudo, parcimônia e ética

Em contrapartida, um artigo da American Academy of Dermatology Association nos lembra que, na dermatologia, a IA auxilia os dermatologistas no diagnóstico de cânceres de pele, e combinar os desempenhos dos dois grupos resulta em um desempenho ainda melhor. É importante observar, no entanto, que os resultados são baseados em configurações de estudo controladas artificialmente.

De acordo com o dermatologista Warren R. Heymann, editor do site da American Academy of Dermatology, precisamos nos preparar, discutir, modificar, crescer e repetir o processo conforme for necessário. “O ChatGPT afetará todos os aspectos de nossas vidas e, como toda ferramenta, tem o potencial de aprimorar, estimular, confundir e devastar. O primeiro passo é ter fé no produto. Eu dirijo um Tesla, mas não tenho total confiança no software de piloto automático para usá-lo”, afirma o especialista.

Com uma abordagem otimista, Dr. Heymann perguntou ao ChatGPT como a ferramenta deve ser usada na dermatologia. Segue a resposta:

“O ChatGPT é uma ferramenta de Inteligência Artificial que pode ser usada para auxiliar os dermatologistas em suas práticas, fornecendo-lhes informações e orientações relevantes sobre várias condições dermatológicas. Por exemplo, o ChatGPT pode ajudar os dermatologistas a identificar lesões de pele, recomendar opções de tratamento e fornecer educação ao paciente.

No entanto, é importante observar que o ChatGPT não substitui a experiência de um dermatologista e deve ser usado apenas como uma ferramenta para auxiliar no diagnóstico e tratamento. A dermatologia é um campo complexo que requer anos de treinamento e experiência, portanto, qualquer decisão sobre o atendimento ao paciente deve ser sempre tomada por um dermatologista qualificado.”

 

Dr. Heymann afirma que ele mesmo não poderia ter dito melhor.

Para saber mais, leia os artigos completos:

https://www.thelancet.com/journals/landig/article/PIIS2589-7500%2823%2900023-7/fulltext

Ferreira AL, Lipoff JB, The complex ethics of applying ChatGPT and language model artificial intelligence in dermatology, Journal of the American Academy of Dermatology (2023), doi: https://doi.org/10.1016/j.jaad.2023.05.054.

https://www.aad.org/dw/dw-insights-and-inquiries/archive/2023/can-we-chat#:~:text=ChatGPT%20is%20an%20Artificial%20Intelligence,guidance%20on%20various%20dermatological%20conditions

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...