A chamada da dermatologia para uma ação urgente sobre as mudanças climáticas


Em setembro do ano passado, 233 revistas médicas internacionais publicaram um editorial pedindo ações urgentes para reduzir o aquecimento global e os efeitos à saúde relacionados às mudanças climáticas. Entretanto, a especialidade de dermatologia não estava representada no documento.

Diante da preocupação de que todos os profissionais de saúde façam o possível em prol da sustentabilidade, um artigo publicado no Journal of the European Academy of Dermatology & Venereology (JEADV), por E. Parker et al., destaca a “necessidade dos dermatologistas trabalharem proativamente para compreender e mitigar os efeitos adversos à saúde das mudanças climáticas”, uma vez que pesquisas recentes mostraram que a maior parte dos dermatologistas está preocupada com essa questão e os impactos na saúde cutânea.

Os danos causados pelas mudanças climáticas à saúde pública 

Os autores ressaltam que muitas doenças dermatológicas são sensíveis ao clima – incluindo dermatoses alérgicas e inflamatórias, como dermatite atópica, doenças autoimunes bolhosas e do tecido conjuntivo, neoplasias cutâneas, infecções, doenças transmitidas por vetores, fotoenvelhecimento, deficiências nutricionais e distúrbios pigmentares.

Dessa forma, relatam que, embora os dermatologistas estejam profissionalmente encarregados de diagnosticar, tratar, pesquisar e mitigar os danos à saúde causados ​​pelas mudanças climáticas, a saúde está entre os setores de serviços mais geradores  de carbono em todo o mundo, contribuindo em 4,6% para as emissões globais de GEE (gases de efeito estufa).

Engajamento urgente e mudança de atitude 

Algumas ações adotadas em nosso dia a dia podem ajudar – como a segregação adequada dos resíduos, reciclagem de itens de uso comum, reprocessamento adequado de dispositivos médicos de uso único e aumento dos serviços de telemedicina. Além disso, segundo os autores, os dermatologistas podem “educar” seus pacientes sobre estratégias de prevenção, como usar roupas de proteção solar e térmica e utilização de aplicativos para calor, qualidade do ar e índices de UV para planejar atividades ao ar livre.

Um conceito essencial para os dermatologistas é que os impactos das mudanças climáticas vão muito além das doenças de pele, pois são um multiplicador de ameaças para a saúde pública, a equidade e os sistemas de saúde.

A mudança climática é a crise de saúde mais assustadora deste século, e a dermatologia não pode mais ser cúmplice, nem espectadora. “Devemos nos engajar de forma mais significativa nas principais questões climáticas, indo além da mera discussão dos impactos das mudanças climáticas relacionados à pele. Chegou a hora dos dermatologistas e nossas Sociedades médicas se levantarem coletivamente para enfrentar essa crise.”

Leia aqui o artigo original.

LEIA TAMBÉM


Queratose actínica: desafios atuais e questões sem resposta.

Uma revisão publicada por Malvehy et al. (JEADV, junho 2024) teve como objetivo fornecer uma visão geral das características da...

Geração Z em risco de câncer de pele devido ao aumento das taxas de bronzeamento e queimaduras

Uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Dermatologia (AAD) com mais de mil pessoas nos EUA mostrou que a Geração...

Doenças crônicas da pele na infância: estigmatização e impacto na saúde mental

Como a extensão da estigmatização está associada à visibilidade da doença, gravidade, saúde mental e qualidade de vida em crianças...

Recomendações de especialistas sobre o uso de terapêutica tópica para vitiligo em pacientes pediátricos, adolescentes e adultos jovens

Um artigo publicado no JAMA Dermatology (março, 2024) por Renert-Yuval et al. buscou desenvolver um consenso sobre o diagnóstico e...

Acne e tratamento de acne em pacientes transgêneros

Quais são as experiências vividas de acne e tratamento da acne entre indivíduos transexuais e de gêneros diversos? Essa foi...

Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...