A chamada da dermatologia para uma ação urgente sobre as mudanças climáticas


Em setembro do ano passado, 233 revistas médicas internacionais publicaram um editorial pedindo ações urgentes para reduzir o aquecimento global e os efeitos à saúde relacionados às mudanças climáticas. Entretanto, a especialidade de dermatologia não estava representada no documento.

Diante da preocupação de que todos os profissionais de saúde façam o possível em prol da sustentabilidade, um artigo publicado no Journal of the European Academy of Dermatology & Venereology (JEADV), por E. Parker et al., destaca a “necessidade dos dermatologistas trabalharem proativamente para compreender e mitigar os efeitos adversos à saúde das mudanças climáticas”, uma vez que pesquisas recentes mostraram que a maior parte dos dermatologistas está preocupada com essa questão e os impactos na saúde cutânea.

Os danos causados pelas mudanças climáticas à saúde pública 

Os autores ressaltam que muitas doenças dermatológicas são sensíveis ao clima – incluindo dermatoses alérgicas e inflamatórias, como dermatite atópica, doenças autoimunes bolhosas e do tecido conjuntivo, neoplasias cutâneas, infecções, doenças transmitidas por vetores, fotoenvelhecimento, deficiências nutricionais e distúrbios pigmentares.

Dessa forma, relatam que, embora os dermatologistas estejam profissionalmente encarregados de diagnosticar, tratar, pesquisar e mitigar os danos à saúde causados ​​pelas mudanças climáticas, a saúde está entre os setores de serviços mais geradores  de carbono em todo o mundo, contribuindo em 4,6% para as emissões globais de GEE (gases de efeito estufa).

Engajamento urgente e mudança de atitude 

Algumas ações adotadas em nosso dia a dia podem ajudar – como a segregação adequada dos resíduos, reciclagem de itens de uso comum, reprocessamento adequado de dispositivos médicos de uso único e aumento dos serviços de telemedicina. Além disso, segundo os autores, os dermatologistas podem “educar” seus pacientes sobre estratégias de prevenção, como usar roupas de proteção solar e térmica e utilização de aplicativos para calor, qualidade do ar e índices de UV para planejar atividades ao ar livre.

Um conceito essencial para os dermatologistas é que os impactos das mudanças climáticas vão muito além das doenças de pele, pois são um multiplicador de ameaças para a saúde pública, a equidade e os sistemas de saúde.

A mudança climática é a crise de saúde mais assustadora deste século, e a dermatologia não pode mais ser cúmplice, nem espectadora. “Devemos nos engajar de forma mais significativa nas principais questões climáticas, indo além da mera discussão dos impactos das mudanças climáticas relacionados à pele. Chegou a hora dos dermatologistas e nossas Sociedades médicas se levantarem coletivamente para enfrentar essa crise.”

Leia aqui o artigo original.

LEIA TAMBÉM


Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

4 MOTIVOS para participar da RADLA 2024

De 08 a 11 de maio de 2024 temos um encontro marcado na 41ª Reunião Anual de Dermatologistas Latino-Americanos! E...

Ipilimumabe + nivolumabe em melanoma metastático refratário ao bloqueio PD-1

Um estudo randomizado de fase 2, publicado por VanderWalde et al. na Nature Medicine (agosto, 2023), demonstrou que o ipilimumabe...

Peeling de retinol 3% e cosmecêuticos para o bem-estar estético do paciente oncológico

Problemas cutâneos como aspereza, flacidez, erupções e rugosidade são comuns em pacientes com câncer de mama tratadas com análogo de...

Curetagem mais um ou dois ciclos de criocirurgia para carcinoma basocelular

Um artigo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology (leia aqui o artigo na íntegra)  por Eva Backman et al.,...

ChatGPT e inteligência artificial em dermatologia: otimismo ou desconfiança?

Muito tem se discutido sobre o uso do ChatGPT e da inteligência artificial (IA) na medicina. Em seu editorial de...