Atrasos na detecção do melanoma durante a pandemia de Covid: um estudo nacional


A pandemia de Covid-19 interrompeu diagnósticos, acompanhamentos, tratamentos e cuidados de saúde. Ao longo de dois anos, houve um impacto significativo principalmente no tratamento oncológico, com adiamentos, cancelamentos de consultas e interrupções de procedimentos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO), com dados do DATASUS, em 2019 foram realizadas 271.818 biópsias de câncer cutâneo; em 2020 houve uma queda de 42% neste número, sendo 157.968 biópsias. Como resultado, casos de câncer que tiveram atraso no diagnóstico e outros que já haviam sido identificados aumentaram o estadiamento, tornando-se mais avançados. Além disso, há a questão do decréscimo de novos casos – resultante dos casos não diagnosticados – outro fator associado ao impacto desencadeado pela pandemia.

Com o objetivo de quantificar o impacto da pandemia no estadiamento do melanoma durante o diagnóstico, um artigo publicado no JAAD em junho, por Trepanowski N. et al., utilizou dados de coorte retrospectivos coletados em 12 centros acadêmicos dos Estados Unidos.

Aumento no diagnóstico de melanomas avançados 

Os autores observaram um aumento na proporção de melanomas mais avançados, com características agressivas, semelhantes a estudos de coorte menores efetuados no exterior e nos EUA. “Nossos achados, juntamente com taxas decrescentes de novos casos de melanoma nacionalmente, sugerem que os casos de melanoma não foram diagnosticados durante a pandemia, sendo posteriormente identificados em estágios tardios”.

No artigo, a frequência relativa do melanoma em estágio I (67,6% vs. 72,7%; P=0,001) foi menor na era Covid (de 1/3/20 a 28/2/21), mas maior nos estágios II (18,3% vs. 14,8%; P=0,006) e IV (6,1% vs. 4,6%; P=0,045). Os autores relataram um aumento das taxas de melanomas identificados pelo paciente e uma redução nos diagnósticos médicos durante a pandemia, com estadiamento mais avançado no diagnóstico, sugerindo a importância da triagem de indivíduos de alto risco. “Nossas descobertas enfatizam a importância de minimizar os atrasos no diagnóstico do melanoma.”

Leia aqui o artigo completo.

LEIA TAMBÉM


Uma discussão sobre diagnóstico e tratamento da onicomicose e o aumento da resistência às terapias antifúngicas

Um artigo publicado no site da American Academy of Dermatology (AAD), por Allison Evans, analisou o diagnóstico e o tratamento...

Associação de linfedema de membros inferiores e câncer de pele

Um estudo de coorte retrospectivo, publicado por Anand et al. na Mayo Clinic Proceedings (novembro, 2023), buscou determinar se pacientes...

Avanços recentes na biologia da vitamina D

Um artigo publicado por Slominski et al. na edição de outubro do Journal of Investigative Dermatology, intitulado “Avanços recentes na...

Estratégias potencializadas pela nanotecnologia no tratamento do câncer de pele

A integração de múltiplas modalidades terapêuticas para abordar seletivamente as vias de promoção do câncer ou de manutenção de células...

BECAS PARA DERMATOLOGISTAS JOVENS

XLI RADLA REUNIÃO ANUAL DOS DERMATOLOGISTAS LATINO-AMERICANOS                           ...

4 MOTIVOS para participar da RADLA 2024

De 08 a 11 de maio de 2024 temos um encontro marcado na 41ª Reunião Anual de Dermatologistas Latino-Americanos! E...

Ipilimumabe + nivolumabe em melanoma metastático refratário ao bloqueio PD-1

Um estudo randomizado de fase 2, publicado por VanderWalde et al. na Nature Medicine (agosto, 2023), demonstrou que o ipilimumabe...

Peeling de retinol 3% e cosmecêuticos para o bem-estar estético do paciente oncológico

Problemas cutâneos como aspereza, flacidez, erupções e rugosidade são comuns em pacientes com câncer de mama tratadas com análogo de...

Curetagem mais um ou dois ciclos de criocirurgia para carcinoma basocelular

Um artigo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology (leia aqui o artigo na íntegra)  por Eva Backman et al.,...

ChatGPT e inteligência artificial em dermatologia: otimismo ou desconfiança?

Muito tem se discutido sobre o uso do ChatGPT e da inteligência artificial (IA) na medicina. Em seu editorial de...